Jaboatão – Aniversário
PCR – Cred Pop
GOVERNO DE PE – USO DE MÁSCARA (REFORÇO 2021) – COVID 19
Sem categoria

PSB e Rede não se entende em São Paulo


 

SP abre foco de crise na aliança Campos-Marina, da Folha de São Paulo

A decisão de Eduardo Campos e Marina Silva de lançarem candidato ao governo de São Paulo abriu um foco de crise na coligação e desagradou inclusive o PPS, partido que sinalizou a adesão à chapa no início do mês. Nos bastidores e em público, o PSB de Campos, a Rede de Marina e o PPS divergem sobre o rumo a seguir. Após ceder à pressão de Marina, o PSB do governador de Pernambuco desistiu de apoiar a reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB), mas diz não abrir mão de que o candidato ao governo seja o deputado federal Márcio França (PSB).

cms-image-000351898

Ex-secretário de Alckmin e principal defensor no partido do apoio ao tucano, França não é visto com bons olhos pelos aliados de Marina, para quem uma eventual candidatura sua seria um mero suporte da campanha do PSDB. Já o PPS diz que não abre mão do apoio a Alckmin e dá sinais de grande insatisfação com a interferência de Marina em São Paulo.

O mal-estar levou Campos a confirmar presença hoje na reunião do Diretório Nacional do PPS. “Não vejo como um partido que não tendo sido criado ache que pode lançar candidato pelo partido dos outros”, disse o presidente do PPS, Roberto Freire, referindo-se ao fracasso de Marina em tentar montar a Rede neste ano.

Segundo ele, é ingenuidade achar que há em São Paulo chance de uma “quarta via” em contraponto às candidaturas de Alckmin, do PT (Alexandre Padilha) e do PMDB (Paulo Skaf): “A não ser que achemos que esses três são pés de chinelo.” “O apoio ao Alckmin é muito melhor para ele [CAMPOS]“, reforça o deputado federal Arnaldo Jardim (PPS-SP). A candidatura própria em São Paulo é tratada por Marina como crucial para reforçar o discurso do “novo” na política. Como opção ao nome de França, a Rede aventa os nomes do deputado licenciado Walter Feldman (PSB), dos vereadores paulistanos Ricardo Young (PPS) e Gilberto Natalini (PV), e do filósofo Vladimir Safatle (PSOL), colunista da Folha, todos eles rechaçados pelas cúpulas nacional e paulista de PSB e PPS. “Nossa lógica é programática, não tem lógica falar em candidato antes de definir as bases do programa”, diz Feldman sobre o nome de França.

Elielson Lima 15 fev 2014 - 2:32m

Comentários

Pesquisar

Publicidade

Publicidade – Olinda

Publicidade – Alepe

Publicidade

Curta no Facebook

Arquivos do Blog