PCR – COVID
Governo de Pernambuco – Use máscara 1
Opinião

#Opinião: O "novo" e as velhas práticas políticas


Muito se comentam em diversas cidades, que o povo quer o “novo” candidato, quer a novidade! Quer sair da polarização entre um lado e outro. A “brecha” vislumbrada pela candidatura do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos à Presidência da República, foi o primeiro sinal que isso seria possível. Deixando de vez, as velhas práticas da polarização direita (PSDB) e esquerda (PT). Infelizmente a queda daquele avião mudou a trajetória.

E agora? Estamos um pouco mais de um ano das eleições municipais, nas principais cidades do Estado não conseguimos perceber uma terceira, quarta ou até quinta via consistente, com capacidade de entrar na disputa e ganhar o pleito. Na minha opinião, existem diversos fatores que contribuem para isso. O primeiro, é que culturalmente o povo não permite o fim dessa polarização: ou vota em um com raiva do outro ou para tirar quem está no mandato só querem quem passou. O segundo fator, é que infelizmente a grande massa eleitoral são corruptores pela venda do voto, não votam nas ideias, nos argumentos. Usam o voto como produto de leilão, de câmbio!

Sem esquecer, de que as maiorias dos grupos políticos se confundem com grupos familiares, novas oligarquias. Oligarquias sim! Infelizmente em pleno regime democrático moderno, como se denomina nosso país. Os candidatos são escolhidos por maior proximidade de parentesco com o poder. Não são em todos os casos, mas é em sua grande maioria.

Com isso deixo a pergunta: de quem é a culpa do “novo” não surgir, do povo que não permite ou dos políticos que concentram em si a sucessão do poder? 

Quero dizer que além de todos os fatores que citei acima, não podemos esquecer do exemplo inicial, o novo ainda poderá surgir em meio a tudo isso. A política não é uma ciência exata, dois mais dois pode ser cinco. O grande problema são as velhas práticas. A idosa reforma política que está na mídia e tramita no Congresso há quase 30 anos, surgiu para isso. Se vai a algum lugar? O tempo dirá! Se teremos o NOVO? As urnas dirão em outubro de 2016.

 

Elielson Lima 15 abr 2015 - 18:20m

Comentários

Pesquisar

Publicidade

 

 

Curta no Facebook

Arquivos do Blog