PCR – Cred Pop
GOVERNO DE PE – USO DE MÁSCARA (REFORÇO 2021) – COVID 19
Jaboatão – Aniversário
Sem categoria

Adriano Oliveira lança nova artigo: 'A eleição municipal de 2016'


Por Adriano Oliveira, cientista político da Cenários Inteligentes

A eleição municipal de 2016 será diferente das ocorridas em 2008 e 2012. Decifrar as características do pleito municipal de 2016 e entendê-las possibilita que os competidores construam estratégias adequadas para o sucesso eleitoral. Obviamente que as eleições municipais também possuem características próprias. Ou seja: cada município tem a sua particularidade.

Em 2008, os candidatos a prefeito disputaram a eleição em um ambiente caracterizado pela possibilidade da prosperidade econômica. O ex-presidente Lula, reeleito, vendia otimismo para o eleitorado. O eleitor estava otimista com o futuro do Brasil. Denúncias de corrupção envolvendo a classe política não estavam latentes na mente dos eleitores. Na disputa municipal de 2012, o ambiente era de prosperidade econômica consolidada e de otimismo para com o futuro. Não existia a Operação Lava-Jato, a qual expõe de modo negativo a classe política, em particular o PT.

Em Pernambuco, as eleições municipais de 2008 e 2012 ocorreram sob a influência do governador Eduardo Campos. Em 2008, o eduardismo florescia. Eduardo Campos conquistava popularidade e adquiria capacidade de influenciar a escolha dos eleitores. Na eleição municipal de 2012, o eduardismo estava consolidado. Em razão do eduardismo, diversos candidatos conquistaram o mandato de prefeito.

Em 2016, o eleitor, em razão da crise econômica atual, estará pessimista ou com fraco otimismo. Esta última possibilidade ocorrerá caso a economia brasileira emita sinais de recuperação. Os escândalos de corrupção advindos da Operação Lava Jato fortalecerá o descrédito da classe política. Em Pernambuco, o eduardismo não estará presente.

Independente do município, os prefeitos candidatos à reeleição precisarão justificar a sua gestão, a qual poderá estar mal avaliada, e precisará convencer o eleitor de que ele representa um futuro melhor. Tais ações serão realizadas em um ambiente com as seguintes características: 1) Pessimismo ou fraco otimismo econômico; 2) Redução de recursos nos cofres municípios; 3) E descrédito da classe política.

Por outro lado, o candidato da oposição não precisará justificar o presente, ele apenas falará do futuro. E ao falar do futuro, ele terá que conquistar a confiança dos eleitores ao mostrar que as características do presente precisam ser mudadas em um breve futuro. Portanto, observo que a eleição de 2016 será caracterizada pelo aumento do número de prefeitos não reeleitos.

Elielson Lima 30 set 2015 - 18:53m

Comentários

Pesquisar

Publicidade

Publicidade – Olinda

Publicidade – Alepe

Publicidade

Curta no Facebook

Arquivos do Blog