PCR – COVID
Governo de Pernambuco – Use máscara 1
Farpas Governador Paulo Câmara retruca: “Temer não tem o nosso apoio e nunca teve”

Governador Paulo Câmara retruca: “Temer não tem o nosso apoio e nunca teve”


 

O governador e candidato à reeleição, Paulo Câmara (PSB), reafirmou sua oposição ao “modelo discriminatório e perseguidor de governar do presidente Michel Temer (MDB”), que em entrevista à Rádio Jornal, nesta quarta-feira (29), elogiu – de maneira irônica – e agradeceu o apoio de Paulo no impeachment de Dilma.

“O presidente Temer não tem o nosso apoio e nunca teve em nenhum dos momentos do seu Governo. Pelo contrário: éramos a favor de novas eleições (após o processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff). Não aceitamos cargos no governo dele! O PSB não aceitou, a Executiva do partido não aceitou”, recordou Câmara, também em entrevista à emissora.

Registrando pontos em que ele e o PSB se colocaram contrários às propostas apresentadas pelo Governo Federal, Paulo Câmara frisou a retaliação praticada por Temer. “Nós fomos contra a Reforma Trabalhista, a Reforma da Previdência, a venda da Eletrobras, o Teto de Gastos (públicos). São posições muito claras nossas. E nós fomos discriminados. A (devolução da) autonomia de Suape foi remarcada, e ele não fez porque fomos contra a Reforma Trabalhista”, relembrou.

A discriminação do Governo Temer com a Região Nordeste foi explicitada, por Paulo, que lembrou que os governadores do Nordeste precisaram se unir para cobrar publicamente. “Toda vez que precisávamos deliberar sobre recursos da União,nós estivemos com os governadores do Nordeste. Nós fomos para cima na questão da Repatriação porque eles não queriam dividir as multas e os juros. Como também formos para cima na efetivação da proposta de venda do Rio São Francisco, mandamos uma Carta no dia 7 de setembro de 2017, assinada por todos os governadores. A prova do “respeito” é que nunca tivemos resposta”, recordou.

MINISTÉRIO– Paulo lembrou que o deputado federal Fernando Filho foi indicado ao Ministério de Minas e Energia pela bancada do PSB na Câmara Federal,  em contraposição à decisão partidária. “Um ministro que saiu do PSB justamente pelo partido não concordar com o trabalho dele. Ele ia ser expulso do PSB e, por isso, saiu”, destacou, ressaltando o desserviço prestado pelo parlamentar à frente da pasta.

Elielson Lima 29 ago 2018 - 16:13m

Comentários

Pesquisar

Publicidade

 

 

Curta no Facebook

Arquivos do Blog