Coluna Coluna do sábado: A saída exemplar de Armando Monteiro do Senado

Coluna do sábado: A saída exemplar de Armando Monteiro do Senado


A saída exemplar de Armando Monteiro do Senado

Eleito em 2010 ao lado de Eduardo Campos e Humberto Costa, Armando Monteiro (PTB) começa a se despedir do tapete azul do Senado em grande estilo, depois de amargar duas derrotas consecutiva para o Governo de Pernambuco em 2014 e em outubro deste ano.

Mesmo perdendo o protagonismo na liderança da Oposição no Estado, Armando encerra seu mandato de oito anos na Casa Alta em Brasília com grande estilo. Ainda essa semana fez um discurso pesado contra a flexibilização da Lei da Ficha Lima e foi figura importante ao lado de Randolfe Rodrigues para que esse projeto fosse para o ralo. Ontem, começou valer uma lei de sua autoria para ampliar a desburocratização da exigência de documentos excessivos em viagens. Outro projeto de sua autoria que tornou-o conhecido Brasil a fora foi a Lei do Simples Nacional.

O pernambucano sempre foi uma voz forte e altiva na Comissão de Assuntos Econômicos e na famosa CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania), ambas ele é titular desde março do ano passado. Quem o conhece em Brasília ver a ‘máquina’ que ele se transforma para exercer o mandato de senador.

Por fim, resta ao ex-ministro e ex-presidente da CNI se reinventar, acertar um novo caminho. Ou tenta alguma alternativa já na eleição de 2020, coisa que particularmente acho muito improvável ou pavimentará seu retorno à Câmara dos Deputados em 2022, onde já exerceu também um grande mandato como deputado federal. Uma coisa é certa: chegou a hora dele passar o bastão do protagonismo da Oposição em Pernambuco e reconhecer que as derrotas pesam sobre ele.

Danças das cadeiras – Caso se concretize a ida do deputado federal eleito João Campos (PSB) para a Secretaria das Cidades o atual secretário da pasta Francisco Papaléo poderá ser relocado na chefia de gabinete, função exercida por João até se desincompatibilizar para ser candidato.

Agradecimentos – A deputada federal eleita Marília Arraes (PT), iniciou um verdadeiro périplo para agradecer os  193.108 votos. Ela começou suas andanças pelo Sertão do Estado. Durante essas visitas ela não poupou as críticas ao governador Paulo Câmara sobre o projeto do décimo terceiro para o Bolsa Família.

Rápidas

Limoeiro – Na surdina e numa canetada só o prefeito de Limoeiro, Joãzinho (PSB), exonerou servidores de cargos comissionados e encerrou contratos com profissionais de todas as secretarias municipais. Depois de ter feito isso sua assessoria enviou uma nota à imprensa narrando o fato.

Subiu o tom – O deputado federal eleito André Ferreira (PSC) subiu o tom encima de Paulo Câmara e disse que mesmo o Governo recuando no Nota Fiscal Solidária, a promessa de 13º para os beneficiários do Bolsa Família “ainda está muito longe da palavra empenhada na campanha eleitoral”.

Pinga-fogo: Cidades vizinhas repetirão o feito do prefeito de Limoeiro de demitir em massa contratados e comissionados? Tem prefeito senão fizer isso não consegue fechar as contas desse ano!

Elielson Lima 24 nov 2018 - 0:17m

Comentários

Pesquisar

Curta no Facebook

Publicidade


 

 

Arquivos do Blog