Novo PCR
Copergás
Gov – Plano de retomada
Novo Jaboatão
Contas TCE mantém rejeição das contas de Jailson do Armazém no exercício de 2016

TCE mantém rejeição das contas de Jailson do Armazém no exercício de 2016

Publicado em: 07/08/2020 - 16:06m

Na última quarta-feira (5), o pleno do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE) manteve a rejeição da prestação de contas do ex-prefeito de Lagoa do Carro Severino Jeronimo da Silva, “Jailson do Armazém”. O ex-gestor entrou com embargos de declaração contra o parecer prévio da primeira câmara do TCE-PE que rejeitou a prestação de contas do governo municipal, em relação ao exercício financeiro de 2016.

Essa é a terceira rejeição de prestação de contas de Jailson dos quatro anos de mandato em Lagoa do Carro. A única aprovação foi no exercício financeiro de 2013 em 19 de maio de 2015. Em junho de 2017, foi rejeitada a prestação de contas de 2014, que ainda tramita recurso no TCE, já a de 2015 foi rejeitada em 28 de agosto de 2018 e a câmara confirmou a rejeição em 28 de abril deste ano e no dia 10 de outubro de 2019, a prestação de contas de 2016 foi rejeitada pelos seguintes motivos:

Déficit financeiro de R$ 4.422.190,12; ausência do município de honrar imediatamente ou a curto prazo os compromissos; Não houve disponibilidade de caixa suficiente para honra restos a pagar liquidados com despesas que poderiam ser evitadas na contratação de artistas e bandas no montante de R$ 130.040,00; descumprimento no limite para a despesa total com pessoal estabelecido com a lei de responsabilidade fiscal; piora considerável nos indicadores da saúde do município relativos à mortalidade de menores de 5 anos, a taxa de mortalidade infantil e ao número absoluto de óbitos infantis, em relação ao exercício de 2013; fracasso no indicador escolar em queda desde 2010 (19,70), até 2015 (6,70) e voltou a subir em 2016 (12,30); a ausência de recolhimento integral das contribuições patronais ao Regime Geral da Previdência Social – RGPS, no montante de R$ 278.022,34; ausência de recolhimento ao LAGOAPREV relativa à parte patronal (R$ 1.329.643,89) aconteceu em todos os meses do exercício e corresponde a 82,44% do total devido (R$ 1.612.874,90); Piora nos indicadores de transparência em comparação ao exercício anterior; entre outros pontos.

Elielson Lima 07 ago 2020 - 16:06m

Comentários

Pesquisar

Publicidade

Publicidade _ Petrolina

Curta no Facebook

Publicidade

Arquivos do Blog